facebook

Quais as principais causas de acidentes de trânsito em Irati e qual a percepção da população sobre a segurança viária?

08/05/2024

Quais as principais causas de acidentes de trânsito em Irati e qual a percepção da população sobre a segurança viária?

Maio é o mês dedicado mundialmente à conscientização no trânsito, marcado pelo movimento Maio Amarelo. Em 2024, sob o tema "Paz no trânsito começa por você", a campanha visa promover uma reflexão sobre o comportamento de condutores de veículos e demais usuários.

Paula Vaz Batista, de 16 anos, ao voltar da escola em um dia comum há três anos, passou por um evento que mudaria sua vida: um atropelamento. “Quando eu desci do ônibus e fui atravessar a rua, eu estava em cima da faixa, e o carro veio na contramão para passar pelo ônibus e acabou me encontrando ali. Eu não lembro o que aconteceu na hora, as pessoas me contaram depois, mas eu lembro que ficou tudo escuro e eu sentia tudo girando. Quando eu abri o olho, o meu primo já tinha me levantado, eu estava sentada no asfalto”, conta. De acordo com relatos da época, Paula tentava atravessar a rua quando o veículo colidiu contra ela, projetando-a para cima antes de ela cair sobre o para-brisa do carro.

Na espera pela chegada da ambulância, Paula e seu primo que a acompanhava não perceberam a gravidade do ocorrido. Imaginavam que apenas seu rosto e uma boa parte de sua mão estavam feridos. Paula conta que quando os paramédicos chegaram e examinaram sua perna, também não identificaram nenhum sinal evidente de lesão, no entanto, com muita dor, ela foi levada para uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do município e, após aguardar por 5 horas, um exame de raio-x confirmou uma fratura no membro.

Após o acidente, Paula vivenciou uma difícil jornada de recuperação física e emocional. Com o auxílio sessões de fisioterapia, buscou recuperar sua mobilidade, mas as sequelas permaneceram visíveis. “Eu me senti muito mal depois do acidente. Eu fiz 10 sessões de fisioterapia e depois disso não tinha mais o que a gente fazer. Eu fiquei com uma perna diferente da outra por conta do acidente. E aí eu tinha bastante dificuldade ao atravessar a rua por conta que eu sentia um trauma, medo de atravessar a rua. Eu tinha insegurança, eu tinha vergonha que as pessoas ficavam olhando”, descreve.

Passados três anos desde o acidente, Paula ainda enfrenta os resquícios emocionais e físicos da experiência traumática. A insegurança permanece presente, afetando significativamente seu bem-estar. Apesar da sugestão do médico de realizar uma cirurgia para alinhar a perna, ela foi desencorajada devido ao tamanho da cicatriz que resultaria no procedimento, estendendo-se praticamente do quadril ao joelho.

Principais causas de acidentes

O secretário de Segurança Pública e Cidadania de Irati, Luis Gustavo Fillus, destaca que múltiplos fatores podem contribuir para acidentes, tanto do ponto de vista dos pedestres quanto dos condutores. “Quando ocorre acidente com pedestre, às vezes ele está com um fone de ouvido, mexendo no celular e não olha para atravessar uma rua ou uma via. Mas também tem o próprio motorista que pode ocasionar, porque às vezes, faz o uso do celular durante a direção ou não dando a preferência para o pedestre atravessar em travessia elevada ou faixa de pedestres”, comenta.

Outras atitudes dos condutores de veículos que podem provocar acidentes, relatadas pelo secretário, são desatenção, embriaguez, desrespeito a preferencial, imprudência em rotatórias e alta velocidade.

A velocidade excessiva dos veículos é um desafio enfrentado na cidade, apesar das vias urbanas serem bem sinalizadas. “A alta velocidade dos veículos, que não respeitam as placas de velocidade que nós temos aqui na nossa cidade – que por sinal, a cidade de Irati é uma cidade muito bem sinalizada, tanto na sinalização vertical quanto na horizontal –, mas mesmo assim, o pessoal acaba não respeitando”, frisa.

Por conta disso, a Secretaria de Segurança Pública e Cidadania de Irati recebe regularmente solicitações de lombadas e travessias elevadas, medidas que visam controlar a velocidade dos veículos. “Vemos onde cabe essa travessia, onde cabe essa lombada, onde também a lei permite, nós solicitamos a construção delas. Também teve várias mini-rotatórias que foram implementadas no nosso município, onde muitos, no início, acabaram criticando, mas após o período de adaptação, foi vista a eficiência que elas têm. Hoje, todos os pequenos acidentes que tiveram nessas-mini rotatórias foram ocasionados por falta de atenção ou irresponsabilidade dos motoristas”, comenta.

De acordo com dados mais recentes da Secretaria de Segurança Pública e Cidadania de Irati, em 2022 foram registrados um total de 118 acidentes de trânsito e também 13 casos de embriaguez ao volante, que estão entre as ocorrências mais comuns no município. No ano seguinte, em 2023, houve uma diminuição no número de acidentes, totalizando 91 ocorrências e 6 registros de embriaguez ao volante. Até abril de 2024, os registros de acidentes de trânsito somam 31 casos e 3 incidentes envolvendo embriaguez ao volante.

Outro desafio frequente enfrentado no município é a prática de alguns motoristas pararem em fila dupla em frente às escolas, um comportamento que prejudica não apenas a fluidez do trânsito, mas também a segurança dos alunos, explica Fillus. “Os pais precisam entender que eles precisam parar e estacionar o veículo para o filho poder estar embarcando. Isso é uma lei de trânsito que a gente tem que seguir. Para resolver, estamos fazendo várias fiscalizações, enviando agentes em frente às escolas para estarem monitorando e ajudando o pessoal na hora da entrada e saída das escolas”, afirma o secretário.

Medidas preventivas e melhorias no trânsito

Fillus destaca as medidas preventivas adotadas para promover a segurança viária em Irati constantemente, além das ações do Maio Amarelo.

“Fazemos blitz educativas com panfletos de conscientização. Os agentes de trânsito tentam também educar a população nessa forma, referente à segurança dos pedestres. Na nossa cidade não tem muitos casos de acidentes com pedestres. Às vezes, pode acontecer, existem alguns casos que foram acidentes fatais, mas, ainda assim, são poucos. Mas sempre tem que ter atenção e cuidado, principalmente com a alta velocidade dos veículos”, explica.

Ele destaca também a necessidade de zelar pela segurança dos ciclistas em Irati e menciona a implementação de várias ciclovias na cidade, bem como a melhoria da sinalização. “Foram feitas várias ciclovias na cidade. Foi melhorada toda a sinalização vertical e horizontal e ainda continua sendo feito, então é um trabalho permanente. Todos os dias a gente analisa a situação de ruas e pinturas que precisam ser feitas, tanto de faixa de pedestres como vagas especiais. Temos também um projeto junto ao Detran, de sinalização horizontal e vertical que está finalizado, que estamos apenas aguardando o governo executar o serviço”, conta.

Apesar de investimentos e campanhas de conscientização, Fillus enfatiza a importância de respeitar as leis de trânsito, tanto para pedestres quanto para ciclistas e motoristas. “Respeitar mais as leis de trânsito, as leis para pedestres e ciclistas, observar e cuidar com a sua própria segurança – que acima de qualquer dano financeiro de um acidente, pode ocasionar danos referente à própria vida de quem está no trânsito, seja pedestre, seja ciclista, seja motorista. Então, sempre ter um pouco mais de atenção quando está trafegando, de qualquer forma, no trânsito”, orienta.

Por sua vez, Paula Vaz Batista ainda expressa sua preocupação com a segurança no transporte escolar. Ela sugere a necessidade de melhorias nas medidas de segurança que atualmente estão em vigor no município. Ela ressalta que o ônibus escolar para em alguns locais que não possuem parada de ônibus, o que na opinião dela, aumenta os riscos para os alunos.

 

Irati terá Estar digital

Irati está prestes a implementar mudanças significativas em seu sistema de estacionamento e vigilância urbana. O secretário de Segurança Pública e Cidadania, Luis Gustavo Fillus, comentou sobre o plano do município digitalizar o estacionamento regulamentado (Estar) e instalar câmeras de alta qualidade com tecnologia de reconhecimento de placas e facial. De acordo com ele, essas medidas são inspiradas por iniciativas aplicadas em outras cidades do estado, como Curitiba, e representam um passo importante para a modernização do gerenciamento do tráfego em Irati.  “Nós estamos com um projeto para melhoria do estacionamento rotativo, transformando ele todo em digital, o que já existe em algumas outras cidades maiores como Ponta Grossa, Guarapuava, Curitiba, União da Vitória, e estamos bem avançados nesse processo. Também a parte de câmeras, que estamos trabalhando para colocar câmeras de alta qualidade com leituras de placas e reconhecimento facial. São avanços que já estavam sendo feitos, que agora têm a sua continuidade, e que se Deus quiser, em pouco tempo, já vão estar sendo finalizados”, cita.

O método utilizado em outras cidades, conhecido como Estar Digital, permite que o condutor pague pelo estacionamento rotativo diretamente pelo celular, dispensando a necessidade do cartão de papel. A previsão é que essa tecnologia seja integrada em Irati ainda neste ano.

 

Enquete:

O Jornal Hoje Centro Sul realizou uma enquete para saber a opinião de motoristas e pedestres sobre o trânsito em Irati. Diversos entrevistados compartilharam suas percepções e também preocupações em relação à segurança viária na cidade.

“Se tivesse uma melhoria de placas, uma forma até de reeducar os usuários do trânsito, evitaria acidentes. Também o pessoal avança muito preferencial. Inclusive, já vi dois acidentes causados por pessoas que avançaram o sinal e acabaram prejudicando pessoas que estavam certas”, diz Márcio Caetano.

 

Maicon Bocko mora no bairro Vila São João em Irati, próximo ao trecho urbano da BR-153, e expressou sua preocupação com a segurança dos pedestres, especialmente em horários de pico. “Na grande maioria das vezes não me sinto muito seguro ao atravessar. No final da tarde, quando a concentração de veículos é mais elevada, além da dificuldade de atravessar, também se torna um tanto perigoso, não apenas devido à alta densidade de veículos, mas também ao excesso de velocidade de muitos condutores, especialmente motociclistas”. Ele também aponta sugestões de melhorias: “O investimento em infraestrutura urbana, como calçadas mais amplas e lombadas, pode garantir uma maior segurança para caminhar. Uma outra medida importante seria aumentar a fiscalização do cumprimento das leis de trânsito, especialmente em relação aos limites de velocidade. A instalação de faixas de pedestres bem sinalizadas também são cruciais para facilitar a travessia em locais de grande movimento. Por fim, considerando o aumento do tráfego de veículos, especialmente nos horários de pico como no fim da tarde, uma medida que poderia melhorar significativamente a segurança é a instalação de passarelas em pontos estratégicos da cidade”.

 

Eu moro em Inácio Martins, venho para cá a cada 15 dias dirigindo. Acho que a sinalização está boa. O que acontece de eu ver é furo de preferencial, mas é muito difícil acontecer, os motoristas estão respeitando bem. Respeitam bem mais que em outras cidades da região.”, diz João Maria de Andrade.

 “Eu sou mais motorista que pedestre, mas eu particularmente não estou vendo muitos problemas assim, a sinalização está boa. Eu já vi uma ou outra batida, mas nada sério, coisas leves. O que eu vejo mais é que o pessoal não gosta muito de usar o sinal para virar esquerda, direita”, diz Matheus Romanini.

 

“Excesso de velocidade, não dão pisca, e não param nas faixas de pedestres. Precisamos de melhorias na sinalização, fiscalização mais efetiva, isso não somente no centro onde têm agentes, mas também nos bairros e na frente das escolas”, sugere a motorista de transporte escolar Elisângela Alves de Jesus.

 

“No centro, depois que reformaram as pinturas das faixas melhoraram bastante, agora os motoristas veem melhor as faixas no chão. [É preciso] colocar mais lombadas e arrumar os buracos das ruas dos bairros principalmente, porque as vezes os motoristas vão desviar os buracos e pode dar acidente. Aqui no bairro por exemplo, falta lombadas e tem bastante criança e cachorro na rua, e os carros andam correndo demais por não tem lombada, direto atropelam cachorro, é perigoso para crianças”, diz o morador do bairro Joaquim Zarpelon, Alcione José de Andrade

“[É preciso] Melhorar a sinalização, a fiscalização e conscientizar os motoristas. Irati é um desastre, os caras são muito barbeiros”, diz Murilo Van Der Laars.  

 

Texto/Foto: Lenon Diego Gauron/Hoje Centro Sul

Comentários

Edição 1594
  • Direitos Autorais

    Textos, fotos, artes e vídeos do Jornal Hoje Centro Sul estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. É expressamente proibido a reprodução do conteúdo do jornal (eletrônico ou impresso) em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização expressa do Jornal Hoje Centro Sul.

  • Endereço e Contato

    Rua Nossa Senhora de Fátima, no 661
    Centro, Irati, PR - CEP 84500-000

    Tel: (42) 3422-2461

  • Pauta: jornalismohojecentrosul@gmail.com

    Expediente: de segunda à sexta das 8h às 17h

JORNAL HOJE CENTRO SUL - © 2020 Todos os Direitos Reservados
Jornalista Responsável: Letícia Torres / MTB 4580